background

17 de junho de 2018

SABEDORIA DIVINA DA NATUREZA - EP 36 - POEJO



EPISÓDIO 36

O episódio de hoje é sobre o querido Poejo, seu nome científico é Mentha pulegium, também conhecido como poejo das hortas, hortelã dos pulmões, menta silvestre, menta selvagem, e erva de São Lourenço, é uma erva aromática oriunda da Europa Central e Mediterrânea, existindo hoje um pouco por todo o mundo. Aparece frequentemente no estado selvagem. Cresce em média até 50 cm de altura e desenvolve flores rosa, roxas ou azuis. Usado na culinária, o seu aroma é picante e foi muito usado na Roma antiga e na Idade média como planta medicinal para tratar resfriados e problemas menstruais e também como repelente de insetos, principalmente pulgas, basta esfregar suas folhas no corpo.

Alguns povos da Antiguidade usavam o poejo para confeccionar coroas empregadas em cerimônias religiosas.

Tempera saladas de frutas e verduras, aromatiza sucos e drinques. Chás refrescantes de verão e também usado em alguns molhos. Outros usos: aplicado sobre picadas de insetos ajuda a aliviar a dor; bom repelente para traças. Uma cama de poejo na casa dos animais ajuda a afastar as pulgas. Ótimo repelente de insetos. Perfuma sachês e 'potpourris'.


Fitoenergética

Atua principalmente no 4º chakra e tem polaridade Yin.

Ajuda a conseguir fazer as coisas até o fim sem desistir, não acumular sentimentos negativos, não se abalar com o egoísmo e maldade alheia. Proporciona imunidade energética dos rins, estimula o saber se desculpar, saber se redimir, saber reconhecer o próprio erro e amar a vida. Reduz o autoritarismo, o orgulho e a arrogância. 

Uso mágico: Usado dentro dos sapatos durante viagens, evita enjoos de ar e mar. Erva de paz, e quando plantado perto da casa ajuda a acabar com as brigas. Traz saúde e alegria para as famílias. Boa para proteção.


Como fazer o chá ?

Infusão: 5 gramas da erva em 100 ml de água fervente por 10 minutos, desligue o fogo,  abafe por 5 minutos e coe. Se preferir adoce com mel. Tomar 2 vezes ao dia por no máximo 3 dias.

Ou 20 g de poejo fresco em 1 litro de água, ou 4 a 5 g por xícara de chá, ou ainda 1 a 2 g da planta seca por xícara de chá, tomar 1 a 2 xícaras por dia.

Se preferir também pode usar o poejo para um delicioso banho estimulante. Ferva 100 g das folhas em aproximadamente 2 litros de água por 10 minutos. Coe, ative a fitoenergética com uma oração/prece de sua preferência e está pronto. Acrescente à água da banheira ou despeje o preparado desde o alto da cabeça.


Propriedades medicinais

As propriedades medicinais do poejo já se conhecem desde há milênios. Dioscórides, o grande médico e botânico grego do século I DC , dizia que tinha “força de aquecer, emagrecer e de digerir”, ou seja, encheu demasiadamente o estômago, pede uma xícara de poejo para ajudar a fazer a digestão.

O chá de poejo é muito indicado devido a sua ação como expectorante, ajudando no tratamento de gripes, resfriados, tosse crônica, asma, além de ser eficaz também no tratamento de diarreia, enjoo, acidez e ardor no estômago.

Entre suas propriedades, citamos sua ação como carminativa, digestiva, vermífuga, expectorante, antisséptica, antiespasmódica e emenagoga. Com compressas, a planta é eficaz no alívio de dores reumáticas, além de agir como um repelente natural contra insetos como moscas, pernilongos e pulgas. O consumo do chá, por sua vez, é eficaz no alívio de dores menstruais, na redução da ansiedade, diminuição da formação dos gases e no tratamento da insônia.

É bom contra dores de barriga, contra gases, auxilia na ausência de menstruação e em dores histéricas. Em forma de chá atua como expectorante nas bronquites.

A bebida natural possui uma ação que estimula a produção do suor, sendo um excelente remédio caseiro para contribuir com a diminuição da febre.

Afcções bucais (feridas, sapinhos, aftas): Coloque 1 colher de sopa de folhas picadas em 1 xícara de chá de água em fervura. Deixe ferver por 5 minutos. Desligue o fogo e abafe por 15 minutos. Coe e adicione 1 colher de chá de bicarbornato de sódio. Faça bochechos, não engolir devido ao bicarbonato de sódio, ideal de 2 a 3 vezes ao dia.


Outra forma de consumir a planta, é fazendo sachês perfumados para colocar em armários e ambientes da casa. Em pequenos pedaços de pano fino, coloque algumas folhas secas e amarre, pois isso ajuda a deixar um cheiro agradável, além de afastar insetos e eliminar o mofo.



Contraindicações

O consumo do chá é contraindicado para gestantes, principalmente nos primeiros meses. Além disso, a planta possui uma substância considerada tóxica quando consumida em altas quantidades, a pulegona.  Como as demais mentas, o poejo não deve ser consumido em grandes quantidades, devido a pulegona contida na planta. Não deve ser tomado por mais de 5 dias consecutivos.  Crianças com menos de dois anos também devem evitar o consumo da bebida.


Fonte: GIMENES, Bruno J. Fitoenergética – A Energia das Plantas no Equilíbrio da Alma. 6ª ed. Nova Petrópolis: Luz da Serra Editora, 2012.

https://nplantas.com/poejo-origem-botanica/

http://www.cotianet.com.br/eco/herb/poejo.html

https://www.portalsaofrancisco.com.br/alimentos/poejo

https://www.chabeneficios.com.br/cha-de-poejo-beneficios-e-propriedades/

https://www.remedio-caseiro.com/cha-de-poejo-beneficios-e-propriedades/


Colaboração: Maria Isabel (Terapeuta Fitoenergética)  curaverde.fitoenergetica@gmail.com

DEMAIS EPISÓDIOS AQUI


15 de junho de 2018

ESTUDOS DA NATUREZA - "MISSÃO DAS FLORES"



Boas vindas ao quadro Estudos da Natureza, que surgiu como uma inspiração com o objetivo de trazer mais informações e relatos acerca dos reinos da natureza conforme o que for permitido e que sirva em nossa elevação e expansão da consciência. Para ler a Introdução clique aqui.

O tema de hoje é sobre as flores, e convidamos você a vir conosco nessa jornada mágica de conhecimento e sabedoria.

Até onde alguns sabem, de um ponto de vista físico e científico as flores são a parte da planta responsável pela produção de sementes, ou seja, a reprodução das plantas, garantindo assim a continuação da espécie, as que dão flores são chamadas de angiospermas, mas e as plantas que não dão flores... como se reproduzem ? Essas são chamadas de gimnospermas e possuem estruturas especiais para sua reprodução. É por meio desses processos que se dá o equilíbrio nos ecossistemas. Há também outras formas de reprodução das plantas mas não falaremos disso nessa postagem.

De um ponto de vista mais espiritual e profundo, as flores nos levam ao caminho da Unidade, do Amor, da Beleza, toda flor possui em si a essência divina do 3º Raio, trazendo Harmonia para o local em que esteja e para quem a contempla, estimulando o Amor próprio e a Compaixão com nossos semelhantes.

Em uma Canalização da Mestra Rowena "O Poder das Flores", ela diz: "(...) As flores, com sabedoria divina, não disputam entre si. Uma flor não olha a beleza de uma outra flor, ela não precisa disso. Uma flor volta a si mesma e encontra dentro de si mesma o seu código divino. Está tudo escrito, tudo marcado dentro dessa flor, quem ela será. Ela tem dentro dela o seu código, a sua luz, a sua força, a sua finalidade, a sua função, a sua missão.

A flor não cobiça a beleza de uma outra flor. A flor não almeja ser quem ela não é; e ela não tem medo das intempéries da terra ou a falta, ou o excesso de água. Ela está ali apenas para ser quem ela é. (...)

Mensagem completa Aqui.

Há diversas classes de espíritos da Natureza que trabalham para ajudarem as flores em seus processos físicos, sua função, e sua missão. As Fadas são os seres mais conhecidos que estão sempre em atuação com as flores, sob sustentação e orientação de uma Fada superior ou de um Deva mais elevado, mas há também outras classes de trabalhadores sutis que cooperam, sempre conectados e em serviço.

Veremos agora o que nossa querida Maria Isabel tem a dizer.

Leony Nogueira


As Flores são Emissárias Celestes, elas têm como missão ancorar vibrações das Esferas Superiores aqui em Gaia… 

Por serem sustentadoras da beleza, de energias sutis e de vitalidade as flores nos trazem alegria, nossa Alma se sintoniza muito rapidamente quando entra em contato com a energia das flores e das plantas e como estas vibram energias sutis muito elevadas elas atuam profundamente em todo o nosso Ser trazendo equilíbrio, cura, harmonia, e nos possibilitam a elevação da nossa vibração…


Na Natureza tudo é simples e por essa razão se torna muito fácil trazer a energia das Flores para as nossas vidas, através das essências Florais que contêm toda a energia etérica/sutil da flor, nós podemos ter acesso à vibração das flores no nosso dia a dia, essa energia irradia e envolve  todo o nosso ser, nutrindo a Alma, promovendo bem estar e harmonia. Quando em uma situação de desequilíbrio tomamos um floral um tratamento é iniciado rumo a uma transformação.

Em uma canalização que li, a Fada Bluebell através de Natalie Glasson diz que "na conexão com o Reino das plantas e especialmente com esse Reino nós vemos um reflexo, nós espelhamos a imagem da beleza do Criador que está em nós, na nossa essência..."

Na minha opinião, é nessa conexão una e no reconhecimento como Seres Divinos da Criação que está a missão das flores e do Reino das plantas aqui em Gaia.

Maria Isabel 


*******

Gratidão!


Colaboração: Maria Isabel - Terapeuta Fitoenergética. Contato: curaverde.fitoenergetica@gmail.com

10 de junho de 2018

SABEDORIA DIVINA DA NATUREZA - EP 35 - TÍLIA



EPISÓDIO 35

O episódio de hoje é sobre a TíliaNativa da Europa mas cultivada em todo o mundo, a Tília (Tilia cordataé uma árvore de grande porte e grande valor ornamental, podendo atingir entre 20 a 40 metros de altura dependendo da espécie. Pertencendo à família das Tiliáceas, possui bonitas flores brancas, cremes ou amareladas em forma de coração, medindo cerca de 10 cm, que exalam um aroma suave e agradável, muito atrativo para as abelhas. As suas copas frondosas podem atingir os 50 metros de perímetro e o seu tronco pode alcançar 1,30 metros de diâmetro. Os frutos são arredondados e de casca acinzentada.

Símbolo da amizade e da fidelidade, é considerada uma árvore sagrada pelas antigas civilizações, que lhe reconheciam qualidades protetoras (afastava o relâmpago e curava quem a tocasse), bem como pela sua longevidade e perfume.

Na antiga Grécia e entre os povos eslavos era a residência da deusa do amor, e na Irlanda diz-se que aquele que adormecer debaixo de uma árvore destas será transportado para a terra das fadas. 

Frequentemente plantada em locais de peregrinação ou junto às igrejas, e também em jardins e alamedas.



Conhecem-se para cima de 30 variedades algumas delas híbridas, mas as propriedades e partes utilizadas são as mesmas em todas as espécies. As flores e brácteas devem ser colhidas mal comece a floração e secas a baixa temperatura, sendo amplamente usadas em infusões calmantes.


Fitoenergética

Atua principalmente no 7º chakra e tem polaridade Yin.

Elimina tonturas, vertigens, labirintite. Ajuda a saber que rumo tomar em sua vida espiritual, ter uma orientação espiritual a seguir.

Tarot Fitoenergética

Como fazer o chá de tília?

Adicione 2 colheres de sopa da erva picada para cada litro de água e leve a mistura ao fogo. Desligue-o quando a água começar a ferver e deixe a mistura abafada em repouso por um tempo de apenas 10 minutos. Coe bem antes de beber e adoce com mel se preferir. É indicado o consumo de 2 a 3 xícaras ao dia.




Propriedades medicinais

A flor de tília é indicada para relaxar a musculatura do aparelho digestivo, o chá é indicado em casos de problemas gastrointestinais como desconfortos, inflamações e problemas da vesícula biliar. A tília é indicada ainda para tratamento de dores de cabeça e quadros leves à médios de depressão graças as suas propriedades calmantes e relaxantes, podendo atuar como revigorante em casos de cansaço físico ou mental. Para quem está com problemas de transpiração o consumo do chá de tília pode ser uma boa indicação. A febre também pode recuar diante do uso do chá.

Tradicionalmente na França, o chá das cinco para as crianças era de tília, tomado à sombra da própria árvore, para que assim o efeito fosse ainda mais eficaz. 

É ainda útil no alívio de dores de cabeça e insônias. Combate a arteriosclerose, a tosse, a bronquite, digestões difíceis e cólicas gastrointestinais. A casca emprega-se nas infecções hepático-biliares e no combate à celulite.

- Adstringente;
- Antiespasmódica;
- Antidepressiva;
- Calmante;
- Analgésica;
- Expectorante;
- Revigorante;
- Febrífugo; 
- Diaforético.


Contraindicações

O consumo da tília é contraindicado para mulheres gestantes ou em período de amamentação, ou por usuários de medicação para tratamento de problemas crônicos. A qualquer reação alérgica seu consumo deve ser suspenso imediatamente. É importante lembrar que qualquer tratamento fitoterápico deve ser acompanhado por um especialista capacitado.



Fonte: GIMENES, Bruno J. Fitoenergética – A Energia das Plantas no Equilíbrio da Alma. 6ª ed. Nova Petrópolis: Luz da Serra Editora, 2012.

http://obaudahistoria.blogspot.com/2010/11/tilia-i.html

https://www.chabeneficios.com.br/cha-de-tilia-conheca-seus-beneficios-para-saude/


Colaboração: Maria Isabel (Terapeuta Fitoenergética)  curaverde.fitoenergetica@gmail.com


DEMAIS EPISÓDIOS AQUI

6 de junho de 2018

RELATO - OS ANJOS E A MÚSICA




Um interessante incidente ligado a um anjo amigo ocorreu durante um recital de Kreisler [Fritz Kreisler, 1875-1962, compositor austríaco, virtuose do violino - NT], em 20 de novembro de 1922. Durante a última parte do programa, cujo efeito havia sido o de elevar minha consciência até um estado exaltado, tornei-me consciente das vibrações familiares de um anjo amigo.

Exercendo considerável pressão, ele chegou muito perto, dizendo: “Escuta concentradamente, e eu ouvirei através de ti”. Ocorreu uma alteração em minha consciência, em que não perdi nada de minha atenção física, mas na qual eu soube que o visitante estava usando meu corpo.

Como frequentemente é o caso durante o contato íntimo com o reino angélico, o sentido da audição foi muito estimulado, e ouvi a música como jamais antes, com uma agudeza de percepção auditiva que, se tivesse sido ocular, poderia ser chamada de microscópica. Cada nota, seja do piano ou do violino, parecia ser uma vida separada e era visualizada mentalmente como globular ou ovóide, de acordo com sua duração. Dentro de seu centro havia um núcleo que era a 'alma' da nota.

Também fiquei consciente de alguns dos pensamentos e sentimentos do anjo, que me pareciam ser os de que toda a música que existia em seu próprio plano de consciência era percebida por ele em termos de cor, e sendo manifesta externamente em seu próprio plano sob forma de poderosos anjos; ele considera a música como um reino da Natureza, com seus próprios habitantes, que existe lado a lado com o nosso, e que é uma expressão do Verbo criador; pareceu também que quando os instrumentos eram tocados cada nota abria uma válvula ou abertura, permitindo passagem até o plano físico à música correspondente. O efeito desta concepção era muitíssimo curioso de se observar. Cada nota separada em ambos os instrumentos era visualizada mentalmente passando através da válvula, que era fechada quando a nota cessava. O intérprete parecia estar com sua cabeça no reino da música, e veio-me a ideia de que todos os grandes músicos eram mensageiros dos Guardiães do reino da música para uma humanidade em evolução, assim como os grandes Governantes, Instrutores e Curadores do mundo são mensageiros da Grande Fraternidade Branca.

No caso de Pachmann [Vladimir de Pachmann, 1848-1933, célebre pianista russo - NT], pareceu como se um anjo guardião ficasse atrás dele enquanto ele tocava. Enquanto ele caminhava no palco, recebi uma imediata impressão de um grande Ego, limitado e confinado em um corpo envelhecido. Quando ele começava a tocar, contudo, o homem verdadeiro parecia gradualmente se erguer em uma figura maravilhosamente poderosa e dignificada – jovem em aspecto, mas com as suas feições. Durante e depois de cada peça, Pachmann entrava em um estado que se aproximada da infância, na qual sua técnica brilhante parecia absurdamente fácil. Em sua face freqüentemente brilhava um sorriso, suave e infantil, embora a atenção concentrada do Ego jamais vacilasse por um instante que fosse, e vi onde o poder real estava sendo aplicado.

O anjo guardião, que não apresentava nenhuma diferenciação de gênero, tinha cerca de 3,5 metros de altura, e permanecia imóvel atrás do músico, flutuando com seus pés a cerca de 45 cm acima do palco. Em sua mão direita ele sustinha um instrumento parecido com uma trompa;
o fluxo de sua aura era arranjado de modo a produzir um efeito de asas dobradas, cujas pontas se voltavam para frente e para baixo em curva graciosa e descansavam no solo de ambos os lados do músico. A mão esquerda do anjo pendia livre ao seu lado; a postura era majestosa; a face, jovem e bela, e sua figura me lembrou a pintura de Watts “O Vigilante Silencioso”. Esta figura permaneceu no palco durante a interpretação de cada peça de Chopin; se tornava invisível enquanto o músico não tocava. Eles três formavam um trio estupendo: o gênio de natureza simples, doce e comunicativa, com uma técnica impecável e perfeita facilidade de execução, a sua representação Egóica intensamente concentrada, e o anjo guardião, que o protegia de todo mal e provia a atmosfera necessária de isolamento interno no qual o gênio podia ser inspirado. Novamente, como se observa amiúde no caso dos trabalhadores dévicos, havia uma sugestão de uma Consciência ainda mais elevada em contato com a qual o trabalho era feito.

No concerto Kreisler eu realmente tive um vislumbre de um dos poderosos Anjos da música, mas palavras para descrevê-lo ficam muito aquém de qualquer tentativa. Devo apenas dizer que era um Ser de forma humana, de esplendor inconcebível e glória inimaginável, ele brilhava radiante; e além disso, “tocava” de modo maravilhoso, como se sua natureza se expressasse tanto em som como em cor; ele proferia continuamente um tom principal com uma multiplicidade de sobretons. Pode-se talvez ter uma ideia deste anjo se tentarmos imaginar um mundo de glória inefável em que vive um Ser que se manifesta por meio de glória ainda maior; um mundo de Som Divino, no qual há uma partitura de música encarnada, derramando
continuamente sua própria e gloriosa contribuição, a expressão, em seu próprio mundo, de sua existência individual.

Penso que podemos presumir que os Gandharvas trabalhem lado a lado com os membros da hierarquia humana em seu próprio nível, e como eles, existem em ordens graduadas que se dividem nas atividades do Sistema Solar como um todo, bem como em cada planeta. Eles são a Harmonia divina encarnada; esta Harmonia encontra expressão sob forma de música através das ordens graduadas de seres até os rudes ouvidos dos homens.

Na música, portanto, não ouvimos a voz de Deus, e o intérprete, seja indivíduo, orquestra ou coro, não se torna por aquele momento a própria flauta do Criador – uma expressão da Causa Primeira? (Aqui, Geoffrey faz uma pergunta reflexiva ao leitor, e o estimula a entender no parágrafo seguinte).

O artista sincero e impessoal recebe, de acordo com sua capacidade, aquele toque do Deus de sua Arte que pode transformá-lo em um gênio. Se ele prostituir seu poder, o toque mágico despertará apenas seu eu inferior e ele cairá escravo de seus próprios desejos. Gênio verdadeiro significa contato com a Mônada, e são os devas que podem realizar - e de fato o fazem - a conexão temporária, muito antes do que esta poderia ser feita pelo processo normal de evolução. Isto vale para todos os ramos da arte, mas especialmente para a música.


Fonte: Livro O Reino das Fadas - Geoffrey Hodson. Primeira Edição em 1927 The Theosophical Publishing House
(Londres). 

1 de junho de 2018

ESTUDOS DA NATUREZA - INTRODUÇÃO




Com muito Amor e Alegria trago o quadro 'Estudos da Natureza' que surgiu como uma inspiração com o objetivo de trazer mais informações e relatos acerca dos reinos da natureza conforme o que for permitido e que sirva em nossa elevação e expansão da consciência.

O quadro é quinzenal e conta com a participação recorrente da querida Maria Isabel, que é Terapeuta Fitoenergética e membro da Equipe Encontro com a Natureza.


Com este novo quadro Estudos da Natureza, nós pretendemos acolher a todos neste lindo Portal de Luz e convidá-los a virem conosco nesse lugar descontraído onde vamos falar mais sobre Gaia e seus Reinos de Luz.

Maria Isabel

Os estudos serão sempre de forma simples e objetiva, incluindo textos, exercícios, citações, vídeos, músicas, dentre outras atividades.

Fiquem atentos pois o primeiro episódio vai estrear com um tema muito lindo e interessante, no dia 15.06! Estamos muito felizes com esses momentos mágicos.

Gratidão!

Leony Nogueira




30 de maio de 2018

COMO RECUPERAR UMA PLANTA QUASE SEM VIDA


As nossas queridas plantas, assim como nós seres humanos, passam por momentos ruins e difíceis. Muitas vezes é possível identificar a causa mas muitas vezes não. Quando as folhas estão murchas, provavelmente o problema é falta d’água. No entanto nem sempre é tão simples assim identificar o problema de nossas amiguinhas. Alguns dos problemas corriqueiros são excesso ou falta de sol, clima seco ou pobreza de nutrientes no solo.

Listamos algumas dicas básicas para que você possa tentar salvar sua planta. Mas, é importante lembrar que a melhora nem sempre é imediata e pode levar até dois meses para que você comece a notar uma melhora na saúde das plantinhas, por isso, seja paciente e não desista de recuperá-las.

Apare as folhas mortas e galhos secos

Com muito cuidado retire todas as folhas mortas de sua planta, sempre com muita atenção em relação aos brotos pois, mesmo com aspecto estranho eles possuem grande potencial de crescimento. Quando for cortar os galhos, comece pelo topo e apare uma pequena quantidade por vez. A cada galho que cortar lembre-se de verificar a cor do centro do caule. Muitas vezes o caule parecerá morto mas você encontrará a coloração esverdeada no centro dele à medida em que o corte for se aproximando das raízes. Quando chegar a esse ponto, pare de cortar. Após um curto período (um mês aproximadamente) galhos novos começarão a crescer sobre os antigos.

Troque de vaso a sua planta

Muitas vezes cultivamos plantas que foram germinadas a partir de sementes e por isso elas estão em pequenos vasos. Porém, se a planta crescer muito é mais do que necessário aumentar o tamanho do vaso para que haja mais espaço para o desenvolvimento dela e de suas raízes. E é justamente prestando atenção nessas raízes que você saberá quando deverá realizar o replantio. Quando elas começarem a ficar visíveis e saírem do vaso, troque o recipiente por um vaso maior e que possua furos na parte inferior para que possa ajudar na drenagem. É importante que realize uma pesquisa sobre a espécie plantada antes para verificar se existe algum requisito especial para ela nesse processo. Muitas vezes não é preciso colocar mais terra.

Cheque os níveis de umidade do ambiente em que a planta está

A grande maioria das espécies gosta de ambiente úmido. Caso note que o solo em que sua planta está tem ficado continuamente seco, mesmo com regas diárias, saiba que os níveis de umidade podem estar muito baixos. Para corrigir isso, coloque uma panela rasa cheia de cascalho ou pedrinhas debaixo de sua planta. Coloque um pouco de água nessa panela e certifique-se que a água não irá ultrapassar o cascalho. A água irá evaporar e assim aumentará automaticamente a umidade em torno de sua amiguinha.

Controle a luz solar

Sua plantinha têm folhas queimadas e amareladas? Essas características são sinais de muita exposição ao sol. Nunca apresentou nenhuma floração? Sinal de pouco sol. Realizar o controle do sol é extremamente importante pois é um fator que determina o crescimento e desenvolvimento das espécies. Teste colocá-las em diferentes locais onde o sol as atinja de forma direta mas sempre prestando muita atenção em quanto tempo elas receberão a luz direta. Principalmente se você morar em uma região com muita incidência de luz solar.

Adicione nutrientes


As plantas são seres vivos e assim sendo, também precisam de nutrientes para se manterem saudáveis. Borra de café, casca de ovo triturada, adubo líquido de casca de banana e semente de abóbora… todos esses itens são adubos orgânicos que fornecem nutrição às plantas. Por isso é importante realizar a adubação sempre que notar enfraquecimento da planta, para que ela possa repor seus nutrientes e continuar seu desenvolvimento de maneira saudável.

 Outra técnica muito interessante que existe para tentar recuperar sua planta é após retirar as folhas e galhos secos, colocar a planta (com o bloco de terra que fica em volta da raiz) num recipiente maior do que seu tamanho e cheio de água morna, essencial para maior absorção de água na terra. Após deixar a planta hidratando por alguns minutos, retire-a do recipiente e coloque-a sobre um prato para que o excesso de água seja drenado. Após isso, leve-a de volta ao vaso ou área de plantio.



Observe diariamente o comportamento da planta. É importante que o solo permaneça úmido para que aos poucos a planta recupere seu vigor, mas também ficar atento em relação a algumas espécies de plantas que não gostam de muita umidade e muita rega.


*******

Reiki e Cristais

Uma ótima dica que eu (Leony), deixo aqui registrado é usar essa maravilhosa ferramenta energética que é o Reiki, a quem é iniciado mesmo com o primeiro nível já pode aplicar nas plantinhas para um melhor desenvolvimento e cura, além de auxiliar, elas gostam muito. Outra dica é colocar um cristal junto ao vaso de planta, é bem válido e não é necessário enterrá-lo, sendo um lindo ornamento também. Lembrando que há sempre outras alternativas que irão ajudar, as mais comuns são essas citadas.

Há também música para plantas, isso mesmo, música! Elas sentem a frequência vibracional dos sons, isso já foi comprovado pela ciência moderna através de muitos experimentos. Uma que indico é esta: Music for plants.

Pode-se também conversar com o elemental da planta e pedir ajuda aos espíritos da natureza conhecidos pelo nome de fadas e dentre outros, agradeça-os pelo serviço de auxílio e tenha fé e confiança no trabalho realizado.

E a principal dica é MUITO AMOR, CARINHO, E DIÁLOGO.

*******

Fonte: https://blog.plantei.com.br/


28 de maio de 2018

SABEDORIA DIVINA DA NATUREZA - EP 34 - DENTE-DE-LEÃO



EPISÓDIO 34

O episódio de hoje é sobre o Dente-de leãotípico dos climas temperados, que espontaneamente cresce praticamente em todo o lugar: na beira de estrada, à beira de campos de cultivo, prados, planícies, colinas e montanhas de altitude de aproximadamente até 2000 metros. Reproduz-se de uma forma tão rápida que invadem terras cultivadas, de modo que, especialmente no passado, o dente-de-leão era considerada uma erva daninha a ser erradicada.

Dada a sua espontaneidade e onipresença, esta planta seria de pouco valor, no entanto, ela tem muitas propriedades medicinais e tantos significados simbólicos, evocativos e variados. Ao dente-de-leão foram atribuídos poderes mágicos que inspirou mais de uma lenda.



O nome científico do gênero é Taraxacum sendo a sua espécie mais disseminada a Taraxacum officinale. Mas seus nomes populares muitas vezes evocam sua particularidade. Além do nome comum dente-de-leão, no nordeste é conhecida por "esperança”. Na Itália vem a ser popularmente chamada por soffione (grande sopro) pelo fato de ter, depois de sua inflorescência, suas sementes recolhidas naquela bola que se parece com um pompom, pronta para voar e dispersar-se ao primeiro sopro de vento.

Todo mundo, pelo menos uma vez na vida, deve ter assoprado um fruto do dente-de-leão, talvez na esperança de ter o que se deseja.


Esta planta floresce a cada primavera produzindo algumas belíssimas flores amarelas, muito apreciadas por abelhas que sugam o néctar do qual se faz o mel de dente-de-leão.



Diz-se que esta planta simboliza a força, a esperança e a confiança.

O dente-de-leão também está relacionado à ideia do desprendimento e da viagem. As sementes desta planta parecem representar perfeitamente as fases, os ciclos de vida que cada um de nós tem que cumprir.

Inicialmente, as sementes ligadas ao apêndice delicado, não parecem dispostas a se destacarem. Mas, lentamente, são levadas pelo vento com “receio” em um primeiro momento, mas cada vez mais decididas a embarcarem em uma nova jornada e experimentar novas aventuras.

Superado o medo ou o receio inicial, elas se deixam levar pelo fluxo da vida, curiosas sobre novas descobertas, e prontas para criarem uma nova vida.


Este caminho é uma metáfora perfeita para a vida de cada um de nós: para voar e aproveitar todas as oportunidades da vida, é preciso se desprender da própria origem, enfrentar o novo e o desconhecido.



Um outro significado ainda é a representação do dente-de-leão como símbolo da infância e da inocência.


E são especialmente as crianças, de fato, que se deliciam em soprar e dispersar as sementes do fruto seco desta planta. Uma imagem que representa a infância em seu sonho de um futuro melhor para todos. Típica da alegria infantil, inocente e despreocupada, que precisamos recuperar e redescobrir na vida adulta.


Fitoenergética

Tem polaridade Yin e atua principalmente nos três primeiros chakras.

Estimula a pessoa a agarrar as oportunidades da vida, contentar-se com as coisas que tem e com quem é, ser feliz naturalmente, saber valorizar tudo e todos; eleva a autoestima; expande a humildade e o sentimento de gratidão; favorece o viver de forma simples, sem complicações e de forma objetiva.

Tarot da Fitoenergética

Como se pode utilizar a planta dente-de-leão?

Esta planta tem utilidade para todas as suas partes, desde as raízes, as folhas e as flores!

Na Culinária:

As folhas podem ser usadas cruas em saladas, cortadas em pedaços pequenos, prefira as folhas jovens, colhidas logo que comecem a crescer, para que não tenham gosto amargo (o óleo usado pode diluir o sabor amargo das mais desenvolvidas);


Em sumos (inicie com uma quantidade pequena) ou cozidas como se fossem espinafres, refogadas com cebolas e temperos, etc. Melhor se forem comidas cruas, porque mantém assim todos os nutrientes. Passe a adicionar dente-de-leão diariamente aos seus preparados culinários e repare nas mudanças positivas no seu nível de energia, vitalidade e bem-estar!

Já da raiz, faz-se óleo de massagem, para tratar reumatismo e também artrite.


COMO FAZER O CHÁ ?




Usar 2 colheres (sopa) de dente-de-leão (folhas e flores, ou somente as flores devido ao amargo das folhas) desidratado ou in natura, e cozinhe em 1 litro de água até ferver. Quando ferver, desligue o fogo e abafe por 10 minutos. Depois disso basta coar o chá e tomar. O recomendado é até 3 xícaras ao dia e sem açúcar.


Propriedades medicinais

Entre suas propriedades medicinais, lembramos as principais:

* drenante;
* purificador (tratamento de verrugas e dermatites);
* desintoxicante da vesícula biliar, do fígado e do sangue;
* diurético;
* favorece a produção da bile;
* favorece a expulsão de bile e o correto funcionamento do fígado;
* aperitivo e digestivo;
* tônico e estimulante;

* antioxidante.

Auxilia a saúde hepática e renal; evita picos de açúcar noturnos; combate inflamações; combate a prisão de ventre; fortalece o sistema imunológico durante o sono.

Contraindicações

Restrições quanto à Fitoterapia: contraindicado em náuseas, vômitos, diarreias crônicas, esofagites ou em obstrução de duto biliar. Pode causar reações alérgicas.

Não é recomendável para grávidas, pessoas com problemas na vesícula biliar ou para quem tem tendência a sofrer com cálculos renais.


Não hesite em consultar seu médico diante de qualquer dúvida.


Fonte: GIMENES, Bruno J. Fitoenergética – A Energia das Plantas no Equilíbrio da Alma. 6ª ed. Nova Petrópolis: Luz da Serra Editora, 2012.

https://www.greenme.com.br/viver/arte-e-cultura/5288-lenda-do-dente-de-leao-e-seus-significados

https://www.remedio-caseiro.com/conheca-as-propriedades-do-cha-de-dente-de-leao/

https://melhorcomsaude.com.br/razoes-tomar-cha-dente-de-leao/


Colaboração: Maria Isabel (Terapeuta Fitoenergética)  curaverde.fitoenergetica@gmail.com


DEMAIS EPISÓDIOS AQUI

Imprimir ou Salvar em PDF

Print Friendly and PDF