background

29 de janeiro de 2018

RELATO - "NOSSA SENHORA E A MATERNIDADE HUMANA"




No decurso de alguns estudos do processo pré-natal de encarnação, recentemente empreendidos, fiquei muito impressionado pela parte importante que os devas têm na construção dos corpos sutis e físico. O caso particular que estive observando de perto, desde o quarto até o nono mês, pode ter sido um pouco incomum, já que me pareceu que o Ego que retornava era particularmente avançado e poderia estar recebendo assistência especial, pois que, em acréscimo, ambos os pais são firmemente estabelecidos no conhecimento e fé teosóficos. Não obstante, fico inclinado que muito do que deverei tentar descrever tem aplicação geral. Quando, com estudo adicional, nosso conhecimento do assunto aumentar, espero que um relato bem mais detalhado possa ser divulgado em forma de livro.

Todo o complicado processo de assumir corpos de matéria mental, astral, etérica e física, no caso examinado, pareceu estar sob a supervisão de um deva no nível Causal ou Arupa; debaixo dele estavam seus subordinados mental e astral, enquanto que nos estágios etérico e físico sólido o trabalho de construção do corpo foi parcialmente levado a cabo por espíritos da natureza, sob o controle do deva astral.

A função do deva astral parece ser largamente a de proteger e supervisionar: ele recebe informações do deva arupa sobre o resultado a ser atingido e sobre a quantidade de Karma que lhe é necessário levar em conta, então a matéria é sob seu cuidado assimilada para dentro do corpo astral. Seu irmão no nível mental está em uma situação exatamente similar.

Repetidamente, durante as diversas observações, se tornou aparente o extremo cuidado, concentração e senso de responsabilidade com que os devas trabalham. O deva astral, por exemplo, freqüentemente envolvia os corpos astral e físico do embrião dentro de si mesmo, protegendo-o de vibrações danosas e afastando influências desarmoniosas.
Além disso, ele continuamente tentava compartilhar de sua vívida vida dévica com a criança, derramando sua força pessoal nos corpos sutis e vigiando-os perpetuamente.

Enquanto o observava trabalhando e tentava penetrar em sua consciência, durante o nono mês, pareceu como se ele de fato reverenciasse os corpos em crescimento, tão grande era o cuidado e ternura com que procedia ao seu trabalho; foi nesta altura que um novo fenômeno atraiu minha atenção. Eu vi que a aura do deva havia mudado durante o último mês; era conformada de modo a parecer um formoso manto azul lançado sobre sua cabeça e ombros, com uma das pontas cobrindo também a mãe e a criança; neste estágio a aura da criança estava largamente inclusa na do deva e se parecia a um grande ovo branco resplandecente, de cerca de 1,2 metros de altura, brilhando através das auras do deva e da mãe.


O manto azul brilhava muito mais, com um tom prateado, e a cabeça do deva se inclinava sobre ambos e seus braços os abraçavam, e o efeito lembrava irresistivelmente uma Madonna e seu filho.

Havia uma tão profunda ternura, um tal espírito maternal de amor e alegria e proteção, que fiquei profundamente tocado pela visão; procurando entendê-la mais profundamente e detectar a fonte desta forma e cor recentemente introduzidas, vi minha consciência ser elevada até o nível causal por algum poder que me atraiu e manteve nestas altitudes a que não estou acostumado, e lá eu vi Alguém tão adorável, tão verdadeiramente encarnando o espírito da Maternidade, do estado Feminil, que soube que Ela era ninguém menos do que a própria Mãe Bendita.

Ela é radiante e formosa além de toda descrição. Ela fulge com toda a glória da divindade, embora Sua “forma” seja a de uma mocinha; através de seus olhos deslumbrantes brilha uma felicidade luminosa, uma beatitude quase extática, a qual, a despeito de sua exaltação e intensidade sobre-humanas, é cheia da alegria das crianças, estranhamente combinada com o profundo contentamento da maturidade humana.

Naquele nível eu percebi que os devas vistos antes eram Seus representantes e que à medida que se aproximava mais o dia do nascimento, daquele modo Ela se aproximava cada vez mais, através de Seus mensageiros, da mãe e da criança.

Este toque íntimo gradualmente transformou a aparência do deva astral, que imitou tanto Sua aparência que em verdade ele se tornou o anjo de Sua presença. Lembrei da declaração de que assim como Nosso Senhor está presente através do Anjo de Sua Presença em todas as ocasiões quando se celebra a Santa Eucaristia, do mesmo modo Santa Maria está presente ao lado de toda mãe no sacramento do nascimento.

Ele chega tão perto que ela realmente perece compartilhar de todas as dores do nascimento, bem como de todas as alegrias da maternidade; de fato, acredito que Ela deliberadamente se unifique com as mulheres do mundo, sofrendo com elas todas as suas dores, e mesmo sua vergonha e degradação, a fim de que Ela possa mais verdadeiramente compartilhar com elas Sua própria realização divina, Seu poder maravilhoso, Seu amor todo-abarcante. Assim eu imagino que Ela experimente com ela todas as alegrias do primeiro amor, a juvenil beleza do despertar da feminilidade, assim como a profunda felicidade da maturidade, as alegrias da esposa e da mãe.

Tudo isso Ela resume em Si mesma até a perfeição, e, da abundância de Seu poder e conhecimento, Ela derrama-se continuamente sobre as mulheres do mundo.

Sua influência deve aumentar o poder, a profundidade e a beleza do amor da moça por seu homem, deve dar coragem e perseverança à esposa nas horas de seu sofrimento e provação e aumentar enormemente o valor para o Ego destas expansões de consciência, estas profundas mudanças na alma que sucedem a toda mulher, em algum grau, quando ela entra no vale da sombra da morte para que a criança possa nascer.

Ela busca a perfeição do indivíduo assim como a da raça, e Ela trabalha para isso através da mulher, procurando exaltar o matrimônio e a maternidade, devolver ao homem os ideais perdidos da profundamente sagrada natureza do matrimônio e da paternidade. Ela sabe que assim nascerá uma raça mais pura, uma raça que deve dar corpos cada vez mais adequados para serem templos do Deus interior.

Nesta atmosfera maravilhosa e benéfica nos planos internos acontecem os processos de encarnação; sinto que cabe a nós prover as condições no mundo físico que sejam dignas da bênção sacrifical tão livre e maravilhosamente derramada por Nossa Senhora, a Rainha dos Anjos, a Mãe do Mundo.

Fonte: Livro O Reino Das Fadas – Geoffrey Hodson - Primeira Edição em 1927 - The Theosophical Publishing House - (Londres).


22 de janeiro de 2018

SABEDORIA DIVINA DA NATUREZA - EP 24 - UXI-AMARELO



EPISÓDIO 24

O episódio de hoje está sendo dedicado ao Uxi-amareloDependendo do local onde a planta é identificada, outros nomes podem fazer relação a ela. Entre os principais deles, destacam-se uxi-amarelo, axuá, cumatê, pururu, uxi, uxi-liso, uxi-ordinário, uxi-pucu, uxi-verdadeiro.

O uxi-amarelo (Endopleura uchi) é uma árvore nativa da Amazônia, podendo chegar a 30 metros de altura e até um metro de diâmetro, e considerada uma planta medicinal. 

Na medicina natural, a parte da planta vinculada aos princípios curativos é a casca.


Uma das formas mais usuais de consumir o uxi-amarelo em prol da saúde é a partir do preparo do chá. Para isso, basta separar meio litro de água filtrada e 25 gramas das cascas da planta.

No intuito de facilitar o processo de infusão é necessário que a casca esteja bem fragmentada.

O primeiro passo é colocar a água para ferver em uma panela de com tampa. Assim que estiver borbulhando, acrescente o uxi-amarelo e deixe com que ele ferva por 10 minutos.


Passado esse tempo, desligue o fogo e deixe descansar por alguns minutos. Use uma peneira para remover a casca e o chá está pronto para ser ingerido.

Outra maneira de fazer o chá de uxi-amarelo: você vai precisar de um litro de água e uma colher (sopa) de casca de uxi amarelo triturada.


Depois, basta ferver a casca triturada por 5 minutos, abafar por mais 10 minutos e coar. Depois de frio, adoce com mel e pode tomar. O ideal é tomar 250 ml de chá de uxi amarelo pela manhã e 250 ml pela tarde.




Fitoenergética

Ajuda a trazer a pessoa para seu eixo, a centrar as ideias e ações; acalma as tensões do corpo, gera estado de serenidade, mantendo a consciência ativa e os instintos equilibrados. Traz efeito de aterramento, incentiva a pessoa a entrar em contato com as energias da natureza, reconhecendo Deus nas árvores, na terra, e em outros elementos. Produz uma sensação de frescor nos ombros e nas costas.

Propriedades medicinais

O uxi amarelo possui muitas propriedades medicinais, sobretudo baseado em ações anti-inflamatória, antimutagênica, antioxidante, antitumoral, antiviral, citostática, depurativa, diurética, hipotensora, imunoestimulante, regeneradora celular e vermífuga.

Entre os problemas de saúde que a utilização da planta está vinculada estão: abscessos, afecções intestinais, artrite, asma, bursite, candidíase, cáries, coágulos no cérebro, cirrose, cistos, disenteria, doenças epidêmicas, doenças ósseas e doenças urinárias.

Além disso, o uso do uxi amarelo trata febres, gastrite, gonorreia, gripes, hemorragias, herpes, hipertensão, infecção dos ossos, infecção urinária, inflamação no útero, irregularidade menstrual, leucemia, miomas, reumatismo, rinites, sinusites, sistema imunológico, úlceras gástrica, viroses e reduz a pressão sanguínea.

Para tratar casos de envelhecimento precoce; câncer de mama, pulmão, cérebro e próstata, a planta também pode ser usada para tratamentos de infertilidade feminina.

Nos casos de doenças do coração, o uxi amarelo também é indicado, sobretudo no que diz respeito a prevenção de ataques, doenças e coágulos. O diabetes também pode ter suas taxas minimizadas por meio do uso frequente.


Embora todas essas doenças possam ser tratadas a partir da utilização da planta, o que mais chama atenção em relação ao uxi amarelo é a possibilidade dela ser usada como complemento ao tratamento de Aids. Ela possui agentes que auxiliam no coquetel.

Esta planta também pode ser encontrada em cápsulas e pó, em lojas de produtos naturais e farmácias de manipulação, que podem ser tomados diariamente, ou conforme indicação do médico.


Além disso, muito comum associar o consumo de chá do uxi amarelo com o chá de unha de gato, tomados em horários diferentes ao longo do dia, para potencializar as propriedades imunoestimulantes e anti-inflamatórias de ambas as plantas medicinais. 


Contraindicações

O Uxi-amarelo está contraindicado para mulheres grávidas ou em fase de lactação.


Fonte: GIMENES, Bruno J. Fitoenergética – A Energia das Plantas no Equilíbrio da Alma. 6ª ed. Nova Petrópolis: Luz da Serra Editora, 2012.

https://www.tuasaude.com/uxi-amarelo/

https://www.chabeneficios.com.br/cha-de-uxi-amarelo/

Colaboração: Maria Isabel (Terapeuta Fitoenergética).


DEMAIS EPISÓDIOS AQUI

20 de janeiro de 2018

ELOHIM ARCTURUS - "ORGANIZAÇÃO HIERÁRQUICA DO REINO ELEMENTAL"



--------------------------------



O Reino Elemental está organizado de acordo com as diferentes naturezas e atribuições que cabem aos seus membros. Somos diversificados em qualidades e funções e, desta forma, a fim de mantermos o uníssono de nossas ações, nos organizamos de acordo com uma estrutura hierárquica. Dentro dela nos dividimos através das esferas da existência, ocupando diferentes encargos em distintos níveis ou planos. Há, entre nós, seres que se ocupam com a administração das regiões cósmicas, enquanto outros atuam com a ordenação dos universos e das regiões planetárias. Dentro dos planetas, há ainda subdivisões que envolvem a ação sobre os mecanismos dos quatro elementos e que, por caracterizarem processos muito específicos, são ocupadas por Servidores que lhes pertencem unicamente.

Os Seres Cósmicos e os Universais têm ação abrangente, porque se encontram ocupados com questões construtivas que transcendem às fronteiras de um ou mais planetas. Uma região cósmica contém sete universos e cada universo contém em si sete sistemas de planetas ou sete Grandes Sóis Centrais. Portanto, aqueles que trabalham com a administração cósmica procedem ao gerenciamento integrado das regiões universais. Enquanto os que atuam no nível dos universos, se fazem ocupar com o planejamento e a execução da construção das interseções entre os sistemas de planetas, que visam à manifestação da Perfeição do Plano Divino nas regiões planetárias.
               
Os sete Elohim são, por sua vez, dirigentes que agem em plena conexão com os Servidores dos Elementos dessas regiões, as quais podem ser consideradas superiores e que são mais abrangentes em sua ação do que as regiões planetárias. Somos intermediários entre os Grande Elohim do Sol Central e os Elementais, e nos são incumbidas tarefas relacionadas à dirigência da ação construtivo-criativa das esferas, através da manipulação dos raios e de suas subdivisões. Os Grande Elohim fazem as interações entre o planejamento cósmico e as necessidades planetárias, enquanto nós executamos às co-criações que precisam ser realizadas para que o Plano se estabeleça nos planetas. Porém, são os Elementais os verdadeiros executores in loco do que co-criamos a partir das esferas ascensionadas, o que significa dizer que são eles que colocam em ação prática, que se traduz em movimentações eletrônicas, atômicas e moleculares, ao que lhes transferimos a partir da ação com os raios.
               
Os Elementais desenvolvem atividades que são tão complexas que eles precisam, no entanto, contar com a orientação adicional que lhes é oferecida por mais duas categorias de trabalhadores do Reino, os Dirigentes das Classes e os Devas dos Elementos. Tanto uns como outros estão associados às esferas interplanetárias, ou seja, eles agem de acordo com as necessidades de integração entre a ação com os elementos que existe entre os diferentes planetas de um mesmo Sistema Solar. Estes Servidores existem especificamente para garantir que haja cooperação e reciprocidade entre as diferentes esferas planetárias e as regiões que há entre elas, em prol da construção maior, que é universal e cósmica.
               
Os Elementais atuam sob a direção de tais consciências mais abrangentes, e se subdividem em quatro classes, segundo a natureza de suas atribuições. São eles os Elementais da Terra, da Água, do Fogo e do Ar, bem como aqueles que atuam nas interseções entre os elementos. Os que trabalham com o elemento terra se encontram envolvidos com ações co-criativas que abrangem desde a formação dos solos e de corpos que habitam os planetas até a transformação de forma e consistência dos orbes. Suas ações são múltiplas e facilmente observáveis a partir do convívio com a natureza e seus movimentos.
               
Aqueles que se manifestam como servidores do elemento água estão presentes em todos os ambientes aquosos, desde os corpos d’água mais caudalosos e profundos até as células dos corpos de animais e vegetais, bem como na umidade do ar e em todos os mecanismos da vida que exigem a presença da água. Os que atuam com o fogo existem associados à queima ou combustão, o que pode ser detectado em focos deste tipo de ação de diferentes intensidades, como a chama de uma vela, um incêndio florestal, o derrame de lava de um vulcão, a fotossíntese das plantas e a digestão do corpo animal e humano. Enfim, os elementais do ar encontram-se envolvidos com os mecanismos da atmosfera, o que aparece até mesmo nos processos respiratórios de todos os seres vivos que habitam um planeta que, como a Terra, exige que haja respiração para que haja vida.
               
Resta enfatizar que, por mais que existam tais subdivisões, todos os seres do Reino trabalham movidos por um uníssono da Grande Consciência de grupo que nos pertence, unificando-nos. Não há como, de maneira objetiva e prática, separar a ação dos servidores de cada elemento uns dos outros, nem dividir o trabalho que cada uma das hierarquias realiza na independência dos demais mecanismos realizados por qualquer um dos demais Servidores, sejam eles planetários, universais ou cósmicos. Será importante que vislumbrem esta unidade que garante a sincronicidade de nossas ações e a convergência das intenções e impulsos co-criativos de todos os Seres dos Elementos. Desta forma, compreenderão o Reino como ele de fato é, e como nossas divisões hierárquicas e atribuições o manifestam, dando-nos diferentes conformações e proporcionando-nos a diversidade de nossas funções.

Elohim Arcturus


Fonte primária: Conteúdo obtido por sintonização através de Valéria Moraes Ornellas, Sacerdotisa da Ordem de Zadkiel e co-fundadora da Editora Sétimo Raio, Rio de Janeiro – RJ, e originalmente publicado em http://shamballaeagrandefraternidadebranca.blogspot.com.br. Se desejar divulgar este texto, favor citar devidamente a autoria e a fonte original da publicação. 

Fonte secundária: http://ochamadodaluz.blogspot.com.br/2012/11/introducao-ao-reino-elemental.html

17 de janeiro de 2018

ELOHIM VISTA - "INTRODUÇÃO AO REINO ELEMENTAL"



------------------------------------



Temos muitas funções a desempenhar a fim de proceder ao que nos cabe realizar como parte da Grande Obra. Somos construtores, o que significa dizer que co-criamos a partir da manipulação dos alicerces, dando impulso criativo para que haja a sustentação de tudo o que compõe à existência. O Reino Elemental existe eternamente, ocupado que está com a execução de mecanismos que traduzem às Supremas Leis em movimentos e formas, significados e interações. Dividimos as atribuições entre classes e ordens hierárquicas, as quais se diferenciam segundo a natureza e a abrangência de suas ações.

Realizamos o que pretendemos realizar, de acordo com os propósitos de Deus, como Servidores do raio azul do seu Supremo Coração. A denominação que nos foi dada tem relação especificamente com as atribuições que nos cabem desempenhar, pois atuamos com os elementos da natureza, partindo da aplicação das Leis Divinas para, então, manifestarmos os efeitos de nossas manipulações na forma e nas funções das partes constituintes da vida e de seus mecanismos. Para tanto, temos que mantermo-nos interligados em uma teia abrangente, a qual envolve desde hierarquias cósmicas aos seres elementais das regiões planetárias.

Tais teias hierárquicas existem a fim de dar continuidade e garantir a união do Reino em torno de um só pensamento. Dentro dela existem os administradores das regiões cósmicas, os quais têm acesso direto e contínuo à Morada Eterna. Estes seres cuja consciência encontra-se em estado sublimado, atuam de maneira interdimensional, concatenando (ligando e harmonizando) intenções e planejando estratégias para o nível da ação universal. Os Seres Cósmicos dos Elementos são os hierarcas de mais alto grau dentro da estrutura hierárquica que nos contém e, a partir da qual, são estruturados todos os pormenores de nossa ação interplanetária e planetária. Eles transferem instruções aos Seres Divinos do Grande Sol Central, e concretizam ações através de tais transferências de encargos e outros tipos de realizações.

Os Servidores dos Elementos que se encontram associados ao Sol Central pertencem a três categorias: Devas dos Elementos, Dirigentes das Classes e Grandes Elohim. Dentre eles estão muitos seres cuja consciência abrange um planeta ou um sistema de planetas ou ainda o próprio Sistema do Sol Central, de modo que eles podem manipular de blocos de energias e vibrações que têm grande abrangência. Estão empenhados em estabelecerem as estratégias de ação dos Elementais, os quais se encontram mais diretamente vinculados às manipulações propriamente ditas dos elementos, em situações planetárias ou afins. As diferentes categorias trabalham em uníssono de intenções, de modo que Devas e Dirigentes se complementam na interação com os Elementais, enquanto os Grande Elohim se mantém mais envolvidos com questões administrativas do âmbito do Sol Central.

Eu pertenço a uma categoria de Seres dos Elementos cujas atribuições são bem específicas, os Elohim. Temos atribuições de âmbito planetário, cabendo-nos a ação de dirigência da manipulação dos sete raios e das interseções que se formam entre as suas subdivisões.  A parte da co-criação que nos cabe realizar se faz a partir de tais interseções, e precipita a inúmeros detalhes do Plano Divino, para cada um dos planetas onde devemos atuar. Na Terra, formamos a congregação dos sete Elohim, cada um dos quais se encontra bipolarizado, de modo a aumentar as nossas possibilidades de ação. Os sete raios são nossos instrumentos de trabalho e, portanto, temos que praticar incansavelmente às Supremas Leis, das quais extraímos a Sabedoria que se faz necessária para a realização das tarefas que precisamos executar.

Dentre as atribuições que nos cabem, temos que direcionar à ação integrada entre os Elementais e os Seres Divinos do Grande Sol Central. São os Elementais que de fato manipulam mais diretamente às configurações de tudo o que compõe à forma e às cadeias de mecanismos que sustentam à forma nas regiões planetárias. Eles contêm diferentes maneiras de atuar, o que os identifica como seres pertencentes a uma ou outra classe em particular. As diferentes classes de Elementais se relacionam, cada uma delas, a um dos quatro elementos da natureza. Há, portanto, os Elementais da Terra, da Água, do Fogo e do Ar. Todos os eventos naturais, mesmo aqueles que têm feições catastróficas, são manipulados por estes incansáveis seres.

É possível perceber-nos a partir da observação da natureza e dos eventos que a representam. Sempre que houver processos de transformação dinâmica e de movimentação de situações e de seus componentes, haverá a presença do Reino Elemental. A sintonização com as diferentes categorias e com alguns dos representantes do Reino em particular pode ser obtida através da aplicação de certos elementos alquímicos simbólicos. Porém, o contato com a natureza é de fato a principal estratégia para que um ser humano possa alinhar-se com os Elementais e seus Dirigentes. Vale a pena tentarem intensificar seus momentos de permanência próximos de aspectos naturais de suas vidas diárias e, então, estarão dando-se a chance de talvez poderem conquistar o acesso ao Reino Elemental.

Acima de tudo, lembrem-se que desejamos manifestar à Perfeição que existe nos mecanismos de co-criação de Deus e, portanto, somos inspirados a estarmos sempre juntos daqueles que se realizam enquanto dão oportunidade para que as leis naturais se expressem, manifestando às Supremas Leis. Quanto maior é a destruição dos ambientes e das paisagens, mais intensa é a ruptura com nossos padrões de vibração. Queremos estar entre vocês, mas, para tanto, precisamos de sua colaboração. Estejam atentos para que não corrompam com os mecanismos que espontaneamente se expressam através de qualquer aspecto do meio em que convivem. Pretendam manter a vida em plena manifestação e certamente estaremos ao seu lado, irmanados na causa da humanidade planetária.

Elohim Vista


Fonte primária: Conteúdo obtido por sintonização através de Valéria Moraes Ornellas, Sacerdotisa da Ordem de Zadkiel e co-fundadora da Editora Sétimo Raio, Rio de Janeiro – RJ, e originalmente publicado em http://shamballaeagrandefraternidadebranca.blogspot.com.br. Se desejar divulgar este texto, favor citar devidamente a autoria e a fonte original da publicação. 

Fonte secundária: http://ochamadodaluz.blogspot.com.br/2012/11/introducao-ao-reino-elemental.html


15 de janeiro de 2018

SABEDORIA DIVINA DA NATUREZA - EP 23 - ALCAÇUZ



EPISÓDIO 23

O episódio de hoje está sendo dedicado ao Alcaçuz. O regaliz ou alcaçuz (Glycyrrhiza glabra L.) é uma espécie de planta com flor pertencente à família Fabaceae. Possui raízes adocicadas, ricas em glicirrizina e das quais se extrai um xarope usado em confeitaria, em medicamentos para tosse e na produção de alguns tipos de cerveja.

Esta planta teve sua origem na Europa e até os Egípcios já a utilizavam. É de fácil aceitação porque tem um sabor doce e muito agradável que se deve a glicirrizina que tem o poder de adoçar 50 vezes mais que a sacarose e de enriquecer o cacau.



É considerada uma das mais importantes plantas a nível terapêutico, sendo o seu espectro de utilização bastante amplo. As suas propriedades benéficas têm sido exaustivamente investigadas, mas o seu uso data de há vários séculos. Existem, por exemplo, referências bibliográficas às virtudes do alcaçuz, por parte dos Gregos.



As maiores propriedades desta planta estão na raiz. A melhor maneira de utilizá-la é em chá. Você também pode encontra-la em cápsulas.


De 10 a 50 gramas de raiz de alcaçuz
1 litro de água filtrada

Modo de preparo:

Em um recipiente coloque 1 litro de água para ferver por 10 minutos juntamente com a raiz. Depois é só beber 2 ou 3 xícaras de chá ao dia.




Fitoenergética


Ajuda muito na memória; ter boa percepção e entendimento de tudo que é novo.  Atua em todos os chakras e tem polaridade Yang.

Propriedades Medicinais

Se você busca pelo equilíbrio o uso do alcaçuz é comprovadamente benéfico para:

O fígado;
Equilíbrios hormonais;
Úlcera;
Bronquite;
Diabetes;
Tétano;
Viroses;
Dermatite;
Gripe;
Problemas de mau hálito;


 Suas propriedades vão além disso, esta planta é:

Anti-inflamatória; Diurética; Antiespasmódica; Antimicrobiana; Expectorante; Mucolítico; Antioxidante; Laxante; Antisséptico. 

Desintoxicante, podendo ser utilizado para o emagrecimento. Ajuda a controlar o colesterol; melhora o metabolismo, ajudando a queimar mais gorduras.


Contraindicações

Seu uso está contraindicado em casos de:

Gestantes; mulheres que estejam amamentando; pessoas com anemia; com pressão alta; com glaucoma; problemas cardíacos; para quem usa anticoncepcionais orais e remédios para reposição hormonal.

Por mais que seja natural quando utilizada em excesso pode causar:

Retenção líquida;
Aumentar a pressão sanguínea;
Diminuir a concentração de potássio no organismo;
Causar dor abdominal;
Dificuldade para respirar.


Fonte: GIMENES, Bruno J. Fitoenergética – A Energia das Plantas no Equilíbrio da Alma. 8ª ed. Nova Petrópolis: Luz da Serra Editora, 2016.

http://www.vidadequalidade.org/o-que-e-o-alcacuz-e-para-que-serve/comment-page-2/

https://www.dietaeboasaude.com.br/alcacuz-blog-dieta-e-boa-saude/

Colaboração: Maria Isabel (Terapeuta Fitoenergética).

DEMAIS EPISÓDIOS AQUI

12 de janeiro de 2018

PLAYLIST MUSICAL - GAIA, REINO DÉVICO E ELEMENTAL



A música, quando feita e usufruída com um propósito elevado, é um elemento de incrível pureza e conexão com as Egrégoras de Luz, essa postagem tem como objetivo principal deixar algumas sugestões de músicas que ajudam na conexão com Gaia e o Reino Dévico e Elemental.

Indicadas para meditações, vivências pessoais ou em grupo, orações/preces para a Natureza, ou simplesmente elevar a vibração do ambiente, há diversos usos! Selecionei algumas específicas e outras mais gerais, e ao longo do tempo irei incluindo mais músicas.

Segue abaixo a playlist que está no meu canal do Youtube:



Namastê!

10 de janeiro de 2018

UM (1) ANO DE "ENCONTRO COM A NATUREZA" - AGRADECIMENTO E CRONOGRAMA 2018



Saudações Dévicas! Essa é uma postagem de profundo agradecimento a todos os leitores e simpatizantes com o Blog Encontro com a Natureza, que hoje dia 10 de janeiro de 2018 já se encontra com mais de 400 mil visualizações, a página no Facebook vem crescendo muito também, com o intuito de expandir esse maravilhoso ponto atrator!

Este mês completa um (1) ano de Blog e quando decidi concretizar essa ideia não imaginei que cresceria tanto em tão pouco tempo, é uma honra e uma Gratidão sem tamanho ancorar essa força aqui na superfície, em Ser um Representante do Reino Dévico, como disse uma querida amiga da aldeia de Éridan: "levar a Luz deste Reino para a superfície... para que você seja um reflexo de todos nós" assim como muitos outros já o fazem, cumprirei minha missão com maestria em Amor e Unidade!

Temos um apoio gigantesco dos "reinos invisíveis", basta abrirmos o coração, expandindo a consciência. Agradecendo pelo Amor, confiança, e sabedoria, entregue a nós diariamente.

Profunda Gratidão a todos! Que as fontes de Luz que jorram da Natureza se expandam, em nós, nesse lindo planeta, alinhados a Consciência Crística e ao Plano Divino Cósmico. 

Bênçãos sempre!

Leony


---------------------------

Referente ao Cronograma para este ano, a série Sabedoria Divina da Natureza ganha uma nova colaboradora (Maria Isabel - Terapeuta Fitoenergética), onde traremos todo mês informações sobre duas (2) plantas, história; imagens, função fitoenergética; propriedades medicinais; dicas; etc, de forma resumida.

Ao longo deste ano pretendo trazer mais informações sobre o Reino Elemental através de Canalizações confiáveis dos Elohim.

Mais sobre o Reino Angélico, que é um setor do Reino Dévico, tão amplo em suas diversas hierarquias, beleza, e sabedoria.

Relatos mediúnicos, mais sobre a consciência arbórea, mensagens de Gaia, e mensagens dévicas do Reino Vegetal.

Não somente em leitura mas também conteúdo em áudio através do meu canal no Youtube.

Mais informações sobre o Reino Mineral e o Reino Animal.

Relacionamento e trabalho da Humanidade em sintonia com os demais reinos.

Mais meditações e vivências, reflexões, e dicas de como colaborar e expandir com a Natureza, e também três (3) novas páginas/abas que serão incluídas ao longo deste ano.

Feliz 2018! Novo ciclo de realizações, um ano de pequenas colheitas e muito mais Amor e Alegria! Rumo a expansão de nossas consciências em sintonia com o Cosmos e nossa amada Mãe Terra.



Namastê!


Imprimir ou Salvar em PDF

Print Friendly and PDF